Arquivo da categoria: Sem categoria

Compost Barn: Monitoramento do Sistema de Compostagem e os Benefícios na Produção e Qualidade de Leite PARTE 2

Juliano Bergamo Ronda  Mestre, Médico Veterinário, Consultor em Nutrição de Ruminantes e Professor do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Uberaba, MG –Parceiro do 3rlab

 

 

Escolha do Material para Cama

Existem diferentes materiais orgânicos que são utilizados na confecção das camas, as camas geralmente são de maravalha, serragem ou casca de café, mas podem ser de outros coprodutos orgânicos, como por exemplo casca de soja, casca de amendoim, casca de aveia, palha de arroz, palha de trigo, dentre outros. No geral o material a ser utilizado deve apresentar boa disponibilidade de carbono, capacidade de absorver água, resiliência, preço acessível e boa disponibilidade na região (Shane et.al, 2010).

Para manter as condições adequadas, deve ser reposta uma fina camada de 5 a 10 cm, variando de 1 a 5 semanas, de acordo com o espaçamento definido por vaca no barracão (BARBERG et.al 2007). Quanto maior a taxa de lotação mais frequente será a recarga de cama, sendo que em alguns períodos do ano, a umidade, as chuvas e a temperatura também interferirão nesta reposição.

Quanto ao tempo e momento de retirada, a tendência é conciliar a retirada do material com a época de plantio, aproveitando o resíduo na lavoura. O solo do Brasil, em geral, é muito pobre em matéria orgânica, e, procedendo dessa forma, haveria maior incorporação da matéria orgânica no solo, além de nutrientes de alto valor como nitrogênio e fósforo (BARBERG et al, 2007b; GAY, 2006; JANNIET al, 2007; JANNI et al, 2005).

 

Manejo da Cama

Normalmente inicia-se o sistema de compostagem com 30 a 45 cm de altura de cama, permitindo melhor revolvimento para a incorporação dos dejetos e possibilidade de aeração a profundidade de 18 a 25 cm. As principais funções do processo de revolvimento são a manutenção da superfície da cama seca, mistura dos dejetos na cama e adição de oxigênio nas camadas mais profundas. O processo de revolvimento normalmente vem sendo realizado 2 vezes ao dia, sempre que os animais estão em período de ordenha.

Atualmente os principais equipamentos utilizados para a realização do revolvimento são equipamentos acoplados em tratores, entre eles podemos citar: subsolador, enxadas rotativas e grades. De forma geral devemos utilizar equipamentos que atinjam uma profundidade mínima e que consiga realizar a incorporação dos dejetos na cama.

 

Controle da Temperatura da Cama

Uma das principais formas de avaliar e monitorar a qualidade da cama é pela temperatura da cama. A variação da temperatura está relacionada com vários fatores, dentre os quais estão baixa relação Carbono/Nitrogênio e umidade. A relação carbono/nitrogênio não é um procedimento facilmente realizado na rotina da fazenda, porém caso estes elementos estejam em equilíbrio, a resposta será uma boa compostagem e temperaturas elevadas nas camadas inferiores.

De acordo com Kiehl (1998), no processo de compostagem, a atividade microbiológica atinge alta intensidade, provocando a elevação da temperatura no interior da cama, chegando a atingir valores de 65ºC, ou até superiores, em decorrência do calor gerado pelo metabolismo microbiano de oxidação da matéria orgânica. Porém valores próximos a 55 °C já indicam um excelente processo de compostagem.

Por outro lado, a compactação é um dos maiores responsáveis pela baixa eficiência no processo de compostagem e queda de temperatura, pois faz com que diminua muito o oxigênio, promovendo o início de reações anaeróbicas. É comum ocorrer a presença de odores desagradáveis em caso de compactação, isso em decorrência de um processo respiratório com ausência de oxigênio.

 

Avaliação da Umidade da Cama

A umidade é um dos principais fatores que levam a problemas na cama, entre eles podemos citar: compactação, aumento na concentração de bactérias e maior aderência da cama à pele dos animais (BARBEG et al., 2007; BLACK, 2013). Os níveis de umidade reportados foram de 54,4 % para Barbeg et al. (2007), 63,4 % para Janni et al. (2007) e 56,1 % para Black et al. (2013). Sendo comum encontrarmos valores de umidade entre 40 a 50 % em algumas fazendas, demonstrando bom controle de umidade da cama.

Como podemos observar os níveis de umidade na cama variam de acordo com a localização das fazendas, estação do ano e clima, sendo que as soluções encontradas para o controle de umidade são os ventiladores, lotação e reposição de cama. Vale ressaltar que a adesão de cama à pele do animal deve ser mínima, sendo este um excelente indicador da qualidade do manejo da cama (FÁVERO et al., 2015).

 

Avaliação do pH da cama

Caso exista escassez de oxigênio, o pH poderá atingir valores inferiores a 4,5, e, consequentemente limitar a atividade microbiana, retardando o processo de compostagem. Isso acontece, pois, um dos produtos gerados na decomposição anaeróbica da matéria orgânica são ácidos que se acumulam e diminuem o pH do meio. Esta alteração favorece o crescimento de fungos e a decomposição da celulose e da lignina. Nestes casos, deve-se remexer a cama para o pH voltar a subir, chegando a valores de 5,5 a 7,8 que está dentro do aceitável, limitando a perda de nitrogênio (TIQUIA et al, 2002).

 

Produção e Qualidade de Leite

Estudos realizados demonstram que o aumento na produção de leite é esperado quando os animais são transferidos para o sistema Compost Barn. Segundo Barberg et al. (2007b), as vacas apresentaram aumento médio na produção de leite de 955 kg/vaca/ano em um rebanho com média de lactação encerrada de 10.457 kg/vaca, variando de 8.321 a 12.411 kg, e houve queda na contagem de células somáticas (CCS), que se estabeleceram em 325.000 células/ml (intervalo de 88.000 a 658.000).

Abaixo segue levantamento realizado em 4 fazendas na região de Cruzeiro da Fortaleza, MG. Neste levantamento foram consideradas informações de Produção de leite (kg), Contagem de Células Somáticas (CCS) (x 1000/mL), Contagem Bacteriana Total (CBT) (UFC/mL) e Taxa de Mastite Clínica (%) de um ano produtivo antes da instalação do Compost Barn e um ano produtivo após a instalação do sistema (Tabela 1).

Tabela 1: Avaliação de Produção de leite (kg), Contagem de Células Somáticas (CCS) (x 1000/mL), Contagem Bacteriana Total (CBT) (UFC/mL) e Taxa de Mastite Clínica (%) antes e após a instalação do sistema Compost Barn em Fazendas de Cruzeiro da Fortaleza, MG.

  Antes do Compost Barn Após Compost Barn
Fazendas Produção Média de Leite/ Vaca/dia (Kg)
1 25 32
2 22,5 32,7
3 25 31
4 25 28
Fazendas Contagem média de Células Somáticas (x 1000/mL)
1 300 190
2 400 230
3 140 125
4 600 150
Fazendas Contagem Média Bacteriana Total (CBT) (UFC/mL)
1 10.000 6.000
2 10.000 5.000
3 4.000 3.000
4 15.000 5.000
Fazendas Taxa de Mastite Clínica (%)
1 15 5
2 10 3,7
3 6 1,4
4 5 1,3

Fonte: Arquivo Pessoal

 

Como pode ser observado na Tabela 1, em todas as fazendas houve aumento na produção de leite, redução nos valores de mastite, contagem de células somáticas e contagem bacteriana total. Mas será que devemos atribuir a melhora apenas ao sistema Compost Barn?

Vale ressaltar que o sistema de Compost Barn é necessário para melhorar o ambiente e reduzir o estresse térmico das vacas, porém normalmente as fazendas também apresentam melhora no manejo alimentar, qualidade do volumoso ofertado, genética do rebanho, gestão de pessoas etc. Sendo assim, devemos considerar que as fazendas ao optarem pelo processo de intensificação, acabam intensificando também o acompanhamento dos resultados, e gerenciando ainda melhor o sistema de produção, e com isso os melhores resultados em produção e qualidade de leite são a somatória de fatores diretos e indiretos da instalação de um sistema Compost Barn.

 

Controle de Mastite

Como é observado na Tabela 1 os valores de contagem de células somáticas (CCS) reduziram entre os momentos antes e após a instalação do Compost Barn. Devemos considerar que o controle de mastite subclínica e consequentemente os valores de contagem de células somáticas (CCS) não dependem apenas do ambiente, ou seja, apesar do sistema ser importante para a redução do CCS, o manejo em sala de ordenha é primordial e deve ser considerado um dos principais fatores de controle da mastite subclínica.

Por muito tempo foi considerado que o aumento de temperatura no processo de compostagem seria responsável pela redução no número de bactérias responsáveis pelo desenvolvimento de mastite. Porém será que o processo de compostagem realmente reduz o número de bactérias causadoras de mastite na cama?

De acordo com Lobecket al. (2011) o sistema de Compost Barn apresentou 7 vezes mais coliformes e 47 vezes mais Klebsiella do que sistemas de cama com o uso de areia. Segundo Fávero et al. (2016) a temperatura da cama não é suficiente para o controle de bactérias no material, sendo que a concentração bacteriana na superfície da cama é normalmente alta.

Sendo assim, o controle de umidade é o ponto mais crítico de manejo, pois, a manutenção da cama seca e fofa é associada a vacas mais limpas e com menor incidência de mastite clínica. O sistema de compostagem pode ser viável para confinamento de vacas leiteiras. Entretanto a cama é orgânica e com alta concentração bacteriana, sendo que o sucesso depende do manejo da cama realizado na fazenda.

 

 

 

Idade ao primeiro parto esta diminuindo em todas as raças nos EUA.

Marcelo Hentz Ramos, PhD – Diretor 3rlab

 

Um dos fatores mais importantes e determinantes da lucratividade do rebanho é dias em lactação médio (DEL). Este parâmetro obviamente depende de emprenhar as vacas rapidamente após o parto. Na mesma linha de pensamento, um recurso muito valioso na fazenda leiteira é a recria. Para o sucesso financeiro podemos colocar a mesma ênfase em eficiência reprodutiva nas novilhas que colocamos em DEL para vacas em lactação. Para termos vantagem neste importante parâmetro é preciso ter gestão. Importante notar que o maior custo de uma primípara é dias em alimentação antes da data de prenhez. Portanto, qual a idade média ao primeiro parto da sua propriedade?

A idade média ao primeiro parto de várias raças criadas nos EUA estão listadas na tabela 1. Nota-se com muita clareza que a idade ao primeiro parto média diminui em todas as raças! Importante entender que como estamos falando de média, várias fazendas deste grupo baixaram significativamente sua idade ao primeiro parto para que a média do grupo caísse.

Na tabela 2 podemos notar algumas variáveis de importância econômica de acordo com a idade ao primeiro parto. Importante notar nesta tabela que para todas as variáveis listadas primíparas mais jovens são mais interessantes. Certamente dados que precisamos analisar e aplicar em nossas fazendas!

Tabela 1 – Idade média (meses) ao primeiro parto em rebanhos americanos.

Raça 2011 2016
Ayrshire 27.3 26.8
Pardo suíço 27.0 26.6
Cruzamentos 26.1 25.7
Holstein 25.7 25.3
Jersey 25.0 24.8
Shorthorn 27.2 26.8

 Tabela 2 – Produção de leite, sólidos e taxa de prenhez de primíparas com diferentes idades ao primeiro parto (IPP).

IPP, meses ≤ 22 23-24 25-26 27-28 29-30
Leite, kg 11.742 11.056 10.330 9.628 9187
G, kg 435 413 389 365 350
P, kg 357 336 316 297 284
Pico, kg 38.8 37.3 36.0 34.2 33.2
TP, % 26 22 18 16 15

IPP = idade ao primeiro parto; G = gordura; P = proteína; TP = taxa de prenhez com 21 dias de intervalo;

Adaptado de: Extending age at first calving is extremely costly. Hoards Dairyman, novembro 2016.